banner PT

2000 years ago you would have given a half-shekel coin as tribute to the Temple.

You could only give HALF of what was needed and your neighbor's contribution would COMPLETE the donation.

Now, due to a generous pledge, every donation made will be "Completed" and matched until we raise $20,000.

$772 USD
out of $20,000 USD

4% financiado

This Website |
This Video |

A história do Monte do Templo é a historia da própria cidade de Jerusalém. O local é considerado sagrado pelas três maiores religiões monoteístas e possui uma das maiores concentrações de artefatos arqueológicos no mundo. No entanto, por razões políticas, a área nunca recebeu escavações.

O Projeto de Peneiragem do Monte do Templo é o primeiro a descobrir e analisar peças arqueológicas originárias do subsolo da região. Para validar e trazer a público estas descobertas é necessária a publicação de toda a pesquisa. Sem ela, será como se nossos 500 000 artefatos nunca tivessem sido encontrados. Nossos estudos abrem a possibilidade de questionar teorias, esclarecer ideias e apresentar dados comprováveis sobre o Monte do Templo: mas isso só será possível se compartilharmos nossos achados com a comunidade científica e o público.

A falta de acesso à pesquisa sobre o Monte do Templo traz ignorância e desinformação sobre a história do local e agrava as controvérsias sobre o tema. É importante observar que nossos achados afetam a história de toda a humanidade, na área encontram-se objetos das civilizações bizantina e mesopotâmica, das religiões judaica, islâmica e cristã, da época das  Cruzadas, entre muitas outras.

O Projeto de Peneiragem do Monte do Templo começou em 1999, quando o Ramo Norte do Movimento Islâmico (Waqf) realizou reformas ilegais no Monte do Templo e eliminou mais de 9.000 toneladas de terra misturada com artefatos arqueológicos de valor inestimável. Inumeráveis artigos foram destruídos ou negligenciados. Tais tesouros poderiam fornecer um raro vislumbre da rica história da região.

Em uma atitude ousada, dois dos nossos arqueólogos recuperaram a terra retirada a partir de um depósito de lixo improvisado e, em 2004, começaram a peneirá-la. Esta iniciativa se tornou o Projeto de Peneiragem do Monte do Templo (TMSP) e cresceu a ponto de virar um projeto de importância internacional. Com a ajuda de cerca de 200.000 voluntários, milhares de achados valiosos foram descobertos. Esses artefatos, os primeiros retirados do solo debaixo do Monte do Templo, lançam luz sobre a longa história deste local sagrado, que tem significado para a metade da população do mundo.

Nós, do TMSP temos trabalhado intensamente nos últimos 12 anos para dar acesso à arqueologia do Monte do Templo, como nunca ocorreu antes. Nossos achados enriquecem a discussão sobre o passado de Jerusalém. No entanto, há muito trabalho a ser feito se quisermos descobrir a história completa do local e compartilhá-lo com o mundo.

Passamos agora para você, o público em geral de todo o mundo, a tarefa de ajudar a financiar este importante trabalho, dando uma contribuição para nos ajudar a cumprir nossa missão. Aqui está a sua chance de participar da revelação do passado de Jerusalém.

Ajude a salvar tesouros arqueológicos de Jerusalém: DOE HOJE PARA O NOSSO PROJETO.

Sua contribuição de meio shekel ajudará a revelar a história do Monte do Templo. Sua ajuda é de vital importância.

innder banner

Resumindo o Projeto de Peneiragem do Monte do Templo

Por milhares de anos, o Monte do Templo tem sido um local sagrado para três das religiões monoteístas do mundo. Nos últimos 1300 anos, o local tem estado sob controle muçulmano; e, devido a questões políticas, nenhuma escavação arqueológica sistemática é permitida. Em 1967, depois da Guerra dos Seis Dias, Israel permitiu ao Awaqf (instituição muçulmana que controla o local) manter controle sobre o monte.

A lei de Antiguidades Israelense exige uma minuciosa excavação antes de executar qualquer tipo de construção em sítios arqueológicos. O Awaqf escolheu ignorar esta lei quando, em 1999, eles, ilicitamente, abriram um grande buraco no Monte do Templo para a construção de uma entrada para uma mesquita, e, aproximadamente, 400 caminhões – 9.000 toneladas – de terra saturada de artefatos arqueológicos de todos os períodos históricos do Monte do Templo foram despejados no Vale de Cédron.

Máquinas pesadas foram usadas para cavar a nova entrada para “Os Estábulos de Salomão” (Novembro de 1999). Esse trabalho foi feito sem supervisão arqueológica, removendo 9.000 toneladas de terra rica em artefatos antigos.

Os arqueólogos Dr. Gabriel Barkay e Zachi Dvira entenderam que a terra despejada representava um tesouro rico em informações relativas à história do Monte do Templo, apesar de ter sido brutalmente arrancada do seu contexto arqueológico.

Em 2004, eles aproveitaram essa oportunidade única e estabeleceram o Projeto de Peneiragem do Monte do Templo, com o objetivo de resgatar os artefatos antigos e conduzir pesquisas que aumentariam nosso entendimento sobre a arqueologia e a história do Monte do T Considerando que o Monte do Templo nunca foi escavado, os artefatos recuperados no Projeto de Peneiragem fornecem informações valiosas e anteriormente inacessíveis.

Apesar de terem sido retirados de seu contexto arqueológico, a maioria desses achados pode ser identificada e datada através da comparação com outros artefatos, encontrados em outros locais. Nós desenvolvemos novas metodologias e tecnologias para estudar estes objetos do Monte do Templo, e temos implementado métodos quantitativos e analíticos avançados para compreender a distribuição dos achados ao longo dos detritos.

Através dos anos o projeto se tornou um empreendimento educativo global. Mais de 150.000 pessoas já participaram do Projeto de Peneiragem. É um número sem precedentes em projetos arqueológicos realizados no mundo. Tal entusiasmo na participação do projeto prova a importância do Monte do Templo e de suas descobertas. Além disso, o público tem ajudado em nosso esforço para entender alguns dos achados que são mais difíceis de identificar. Isso é feito através de imagens exibidas no website e o público é convidado a nos ajudar identificando e determinando a natureza e data destes itens. O envolvimento e a participação de um público global de pessoas interessadas é único na história da arqueologia e tem se mostrado essencial para o avanço do nosso projeto.

Esta ideia é vivamente expressa no livro de Salmos:

Porque os teus servos têm prazer nas suas pedras e se compadevem do seu pó (Salmos 102:14-15)

Agora você está convidado para fazer parte da próxima etapa deste empreendimento, apoiando o financiamento necessário para a análise e publicação das descobertas feitas neste projeto.

Considerando que o Monte do Templo nunca foi escavado, os artefatos recuperados no Projeto de Peneiragem fornecem informações valiosas e anteriormente inacessíveis. Apesar de terem sido extraídos de seu contexto arqueológico, a maioria desses achados pode ser identificada e datada através da comparação com outros artefatos, encontrados em outros locais. Nós desenvolvemos novas metodologias e tecnologias para estudar estes achados do Monte do Templo, e temos implementado métodos quantitativos e analíticos avançados para compreender o significado da distribuição dos achados ao longo dos detritos.

O que encontramos até agora?

Cada balde de terra que peneiramos contém artefatos antigos que representam 3.000 anos da história do Monte do Templo. As categorias de artefatos mais comuns são fragmentos de objetos de cerâmica, fragmentos de vasos de vidro, objetos de metal, ossos de animais, pedras de construção trabalhadas e pedras de mosaicos tesserae.

Além dessas categorias gerais, existem muitos achados fascinantes, como fragmentos de vasos de pedra, joias, miçangas, estátuas de barro (terracota), pontas de lanças e outros armamentos, pesos, acessórios de roupa, jogos de dados, decoração com ossos e conchas, decoração de móveis, ornamentos, objetos em marfim e osso, fragmentos de inscrições em pedra e cerâmica.

Various pieces of jewelry from different periods. Materials include semi-precious stones, glass, bronze, silver and gold.

Várias peças de jóias de períodos diferentes. Materiais incluem pedras semi-preciosas, vidro, bronze, prata e ouro.

Foram encontradas ruínas arquitetônicas elaboradas, incluindo fragmentos de colunas e seus capitéis, fragmentos de chão em mosaico, ladrilhos de chão em opus sectile, afrescos (pedaços de reboco de parede com pintura) e azulejos envidraçados.

De fato, o Projeto de Peneiragem já descobriu mais de 5.000 moedas, variando de pequenas moedas de prata do século 4 A. C até moedas cunhadas nos tempos modernos. Entre elas há algumas muito raras e emocionantes, como a de prata de meio shekel descrita em detalhes abaixo.

Selected coins from the Second Temple Period

Seleção de moedas da época do Segundo Templo.

Ponta de lança em bronze datada do século 10 A.E.C, do tempo do Rei Salomão. Pontas de lanças deste período são achados raros em Israel.

Do Período do Primeiro Templo (1.000 a 586 A.E.C, do Rei Davi até a destruição do Primeiro Templo), tem-se abundância de fragmentos de cerâmicas originados de tigelas, jarras e potes, como também cálices, suportes, chocalhos e estátuas de barro (a maioria de animais quadrúpedes, mas também imagens de mulheres grávidas).

Outros achados deste período incluem: pedras de arremesso para funda, pedras de peso, pontas de lanças da época do Rei Salomão e outras pontas de lanças de bronze usadas pelo exército Babilônico que destruiu o Primeiro Templo.

Artefatos inscritos incluem óstracos (fragmentos de cerâmica com inscrições) e selos de argila (bullae). Um selo de argila possui os nomes hebraicos ליהו… e אמר, significando “(Pertence a) […] Iyahu (filho de) Imer”. Imer era o nome de uma família sacerdotal mencionada nos livros de Jeremias e nas Crônicas.

A 7th century BCE seal impression with ancient Hebrew writing, This seal impression is the first ancient Hebrew inscription ever found on the Temple Mount and is evidence of the administrative activity in the First Temple.

Outros achados incluem selos em forma de cone, da época do Rei Salomão, descrevendo dois animais: uma gazela descrita no selo preto, e um selo feito de lápis lazúli, uma pedra semi-preciosa.

Durante o Período do Segundo Templo (515 A.E.C a 70 E.C.), o templo e sua esplanada foram submetidos a vários projetos de construção, primeiramente durante o reinado do rei Herodes e seus descendentes. Os achados deste período incluem numerosos estilhaços de objetos de cerâmica, especialmente de potes para cozinhar, e muitos ossos queimados de animais. Esses achados podem estar relacionados aos peregrinos que vinham ao Templo, como descrito em outras fontes escritas. A peneiragem também coletou fragmentos arquitetônicos que podem ser ruínas do magnifico pórtico que cercava o Monte do Templo ou ruínas do próprio templo!

Um achado esclarecedor é a nossa coleção de mais de 1.000 fragmentos de ladrilhos de variadas formas, cores e tamanhos.

A fragment of an elaborately decorated frieze. The design is of an acanthus leaf typical of Herodian architecture. The stone has burn marks and may have originated in the Temple itself!

Um fragmento de decoração de frizo elaborado. O design é de folha de acanto típico da arquitetura herodiana. A pedra tem marcas de queimaduras e pode ser originária do próprio Templo!

Foram identificados como o tipo de ladrilho usado para pavimentação na técnica conhecida no mundo romano como opus sectile, na qual os ladrilhos eram montados de várias formas para formar uma rica decoração geométrica. Os escritos de Flávio Josefo testificam que esta técnica era usada como ornamentação da área pública que estava ao redor do templo.

Estas áreas que são expostas em céu aberto são pavimentadas com pedras de todos os tipos (Guerra 5 5:2)

A descrição de Josefo é completamente compatível com os nossos achados e nos permite sugerir uma reconstrução compreensível do piso do Monte do Templo.

Nós recuperamos pontas de lanças que podem ser de origem do cerco romano, antes da destruição do Templo. A terra peneirada contém uma larga porção de cinzas de sucessivos incêndios.

Floor tiles of various shapes, colors and sizes that were used in the opus Sectile Roman Paving technique in royal structures. This type of floor is mentioned in the writings of Flavius Josephus regarding the floor of the open courts that surrounded the Temple.

Ladrilhos de vários formatos, cores e tamanhos usados na técnica de pavimentação romana de estruturas reais. Este tipo de piso é mencionado nos escritos de Flávio Josefo, relacionando ao piso da área pública que cercava o templo.

A suggested reconstruction of the Temple courts according to Flavius Josephus’ writings and the floor tiles found at the Sifting Project.

Uma reconstrução sugerida da área do Templo, de acordo com as escrituras de Flávio Josefo e o piso de ladrilho achado no Projeto de Peneiragem.

Arrowheads from the Second Temple period.

Pontas de lança do período do Segundo Templo.

Nossos achados do Período Romano tardio (70 a 324 E.C.) não são maiores do que os de outros períodos, mas refletem a natureza pagã do local sob o controle romano. Esses achados incluem moedas, cerâmicas, peças de jogos e a evidência de ferramentas feitas em osso para o trabalho no local.. Isso também pode atestar a destruição feita pelos Romanos.

Dados em osso e em marfim comuns no período romano. A lei judaica, nesse período, de acordo com a Mishnah, desqualificava como testemunha legal qualquer pessoa que jogasse jogos com dados (Sanhedrim 24 b)

O Período Bizantino (324 a 638 E.C.) também é rico em relíquias arqueológicas, incluindo cubos de mosaicos tesseare, ladrilhos, telhas, capitéis em estilo coríntio, coro alto de igreja e inúmeras moedas. As cerâmicas incluem várias lâmpadas a óleo, algumas trazendo inscrições soletradas, de forma errada, em grego, e outras com brasão de cruz ou com alça em forma de cruz estilizada. Um importante grupo de crucifixos e pingentes em forma de cruz de vários estilos e materiais também foi encontrado. Em algum deles, a imagem de Jesus aparece em relevo ou em desenho embutido.

A riqueza dos achados desafia a suposição que o Monte do Templo era deserto e desprovido de estruturas durante esse período.

Byzantine period marble and limestone architectural fragments.

Fragmentos arquitetônicos em mármore e calcário do período Bizantino.

Uma grande parte dos achados provêm do período inicial do Islã (640 a 1.099 E.C.). Durante o início deste período, a Mesquita de Al-Aqsa e o Domo da Rocha foram construídos. Renovações em períodos posteriores removeram partes destas construções e despejaram os restos no lado leste do Haram Al-Sharif (Monte do Templo).

Gilded glass mosaic tesserae from the Early Islamic period removed from the Dome of the Rock exterior walls during later renovations.

Mosaico em vidro tesserae do período inicial do Islã, removido da parede exterior do Domo da Rocha durante as renovações mais recentes.

Tais renovações foram feitas quando o magnífico exterior em mosaico do Domo da Rocha foi substituído com decorados ladrilhos envidraçados, no século 16 E.C., ou quando os ladrilhos do piso do Domo da Rocha e do Domo da Cadeia foram substituídos, em tempos modernos. O Projeto de Peneiragem recuperou milhares de cubos de vidros para decoração de mosaicos (tesserae) do Domo da Rocha. Alguns destes detalhes arquitetônicos eram de uso secundário em estruturas Umayyad e se originaram no período bizantino ou período do Segundo Templo.

Além disso, foram recuperados mosaicos dourados do santuário do Domo da Rocha, cerâmicas e inscrições, incrustações com pérolas, joias, partes de jogos e várias moedas (incluindo de ouro), fragmentos de elementos arquitetônicos e pedras com inscrições.

Os achados do Projeto de Peneiragem contribuem para a pesquisa histórica e arqueológica do Monte do Templo, no que se refere ao período das Cruzadas. Durante este período (1.099 a 1.187 E.C.) o Monte do Templo era comumente associado aos Cavaleiros Templários. Os cavaleiros usavam a Mesquita de Al-Aqsa como seu quartel general e transformaram a vasta estrutura subterrânea em estábulo para seus cavalos, denominando-o “os Estábulos de Salomão”.  A terra que estamos peneirando é originária dos Estábulos de Salomão e tem fornecido muitos objetos remanescentes das atividades das Cruzadas, incluindo pontas de lanças, pregos de ferradura típicos da cavalaria medieval européia e pedaços de armaduras. Estes achados são a primeira evidência arqueológica em relação ao uso dos Estábulos de Salomão pelos Cavaleiros Templários.

Outro fato é que a maior coleção de moedas já encontradas em Jerusalém foi descoberta no Projeto de Peneiragem. Entre elas encontram-se moedas extremamente raras e um medalhão de Cavaleiro Templário, único. As descobertas do período das Cruzadas ainda incluem vários cordões com crucifixos, cerâmicas e restos arquiteturais. Vários ladrilhos opus sectile, que foram colocados no Domo da Rocha e removidos em períodos posteriores, foram recuperados e agora podemos reconstruir de forma mais elaborada o chão do Domo da Rocha – da forma como era no tempo das Cruzadas.

Crusader era iron horseshoe nails that attest to horses of the knights Templar in Solomon’s Stables.

Pregos de ferradura da época das Cruzadas pertencentes os cavalos dos Cavaleiros Templários que ficaram alojados nos Estábulos de Salomão.

Do período posterior Islâmico (1.187 a 1.917 E.C.), nós recuperamos inúmeros elementos arquitetônicos; mais notavelmente os azulejos usados pelo Sultão Sulimão, o Magnífico, para trocar o mosaico original de vidros de tesserae, ornamentando as paredes externas do Domo da Rocha. Além dos azulejos, milhares de moedas dos mamelucos e do período otomano contribuíram significativamente para a pesquisa, tais moedas não estão em publicações científicas. Isto também acontece com as cerâmicas deste período, as quais temos em abundância e planejamos publicar em detalhes. Outros achados deste período incluem várias peças de joalheria, artigos de vestuário, insígnias e medalhas militares, números enormes de cachimbos otomanos e muito mais. O Projeto de Peneiragem tem provado ser uma fonte inesgotável e sem precedentes de conhecimento sobre o Monte do Templo.

Ottoman personal bronze seals. Among them is the seal of Abd al-Fattah al-Tamimi, who served as the Grand Mufti of Jerusalem in the early 18th century.

Selos otomanos pessoais em bronze. Entre eles, o selo de Abd-al Fattah al-Tamimi, que serviu como grande Mufti de Jerusalém no início do século 18.

Achados arqueológicos, que estavam escondidos no solo do Monte do Templo por centenas de anos, podem ser cientificamente analisados e publicados pela primeira vez. O resultado desse esforço vai esclarecer o passado do Monte do Templo – suas construções e reconstruções, seu significado religioso, seus defensores e seus conquistadores. Nesses 10 anos do projeto, cerca de metade das terras que foram removidas do Monte do Templo já foram peneiradas. O projeto continua a todo vapor e muito mais itens esperam para serem descobertos.

Qual a importância do Monte do Templo e desta pesquisa?

Porque a minha casa será chamada casa de oração para todos os povos. (Isaías 56:7)

O Monte do Tempo é sagrado para mais da metade da população do mundo. De acordo com a Bíblia, é um local onde o céu e a terra se encontram. O Templo foi designado para ser o epicentro para todas as facetas da vida religiosa e sua localização é um ponto de ancoragem, a partir da qual a palavra de Deus é espalhada para o mundo. Atualmente, é o local mais sagrado para o Judaísmo, onde o Primeiro e o Segundo Templo estiveram, e permanece como o ponto central das orações judaicas. Para os cristãos, é o lugar do Templo que Jesus conheceu. É o terceiro local mais sagrado no Islã, onde estão o Domo da Rocha e a Mesquita de Al-Aqsa. Ou seja, qualquer coisa que acontece no Monte do Templo ressoa por todo o mundo.

Apesar do fato do Monte do Templo ser mencionado inúmeras vezes na Bíblia e em outras fontes históricas antigas, muito do seu passado se mantém um mistério. Nenhuma escavação arqueológica foi realizada no local por causa de questões políticas. Muitas das questões históricas debatidas por estudiosos sobre o assunto não são esclarecidas em função da ausência de dados arqueológicos.

Map of the Old City of Jerusalem with the major excavated areas in the last 150 years. Note the large blank rectangle of the Temple Mount where no systematic excavation has ever taken place.

Mapa da Cidade Antiga de Jerusalém com as áreas principais da escavação nos últimos 150 anos. Note o vasto retângulo do Monte do Templo, onde nenhuma escavação sistemática foi feita.

O Projeto de Peneiragem do Monte do Templo é o mais próximo de uma escavação do Monte do Templo. As descobertas feitas nesses últimos 10 anos representam a primeira constatação arqueológica originária das terras do Monte do Templo. A publicação dos resultados do nosso trabalho irá esclarecer a longa história desse local sagrado e esperamos que possa contribuir para solução de vários debates sobre o assunto.

Por exemplo, alguns estudiosos duvidam que o Monte do Templo tenha sido anexado a Jerusalém durante o séc. 10 A.E.C (no tempo do rei Salomão), e sugerem que Jerusalém não era a capital e sim um pequeno vilarejo. Nossos achados contradizem essa afirmação minimalista e confirmam o relato bíblico em relação a Jerusalém deste período.

Infelizmente, muitas escavações fracassaram na fase de publicação de suas descobertas. Descobertas não publicadas têm pouco valor para a pesquisa arqueológica, é como se não existissem. Nós não podemos permitir que esse seja o destino de nossas descobertas desse local tão importante que é o Monte do Templo.

Além disso, hoje, o Monte do Templo é motivo de conflitos e disputas decorrentes do desconhecimento e da desinformação. É o pedaço de Terra mais contestado do nosso planeta. Embora entre os estudiosos (incluindo estudiosos muçulmanos) a existência do Templo Judaico neste local esteja acima de qualquer dúvida, nas décadas recentes, líderes políticos muçulmanos palestinos têm avançado em reinvindicações que negam a existência do Primeiro e do Segundo Templo neste local. A publicação dos achados do Projeto de Peneiragem do Monte do Templo vai criar a oportunidade de um diálogo amistoso, visando diminuir os conflitos políticos. Os conflitos e disputas são alimentados pelo desconhecimento dos fatos, enquanto o conhecimento ajuda a um entendimento melhor sobre o próximo.

Por isso, nós pedimos o seu apoio no nosso esforço de esclarecer a história do Monte do Templo, o lugar de importância para bilhões de pessoas por todo o mundo, e de evitar que suas relíquias e sua história sejam perdidas em construções ilegais e grosseiras.

Qual o orçamento necessário?

Mais de 500 mil descobertas estão em nosso laboratório esperando pelo processo de análise. O estudo e publicação são grandes tarefas que requerem diligência e perícia de vários estudiosos. A atividade do local de peneiragem é atualmente financiada pela fundação Ir-David, mas não temos capital disponível para pesquisa e para publicação das descobertas. O financiamento irá nos ajudar com as seguintes necessidades:

  • Avaliação científica, incluindo períodos precisos estipulado por Carbono 14, análises mineralógicas, preservação de artefatos, análise estatística computadorizada e mineração comparativa de dados tipológicos; tudo isso requer uma perícia sofisticada e equipamentos de laboratório altamente especializados – a parte mais cara do nosso trabalho.
  • Estúdio fotográfico de alta resolução, scanner laser 3D, desenho científico, separação, classificação, compilação, edição e impressão do relatório preliminar, sendo esta uma abrangência exata que vai determinar o valor científico dos nossos relatórios finais.
  • A operação do nosso laboratório.

25

Por que nós chamamos de A Campanha do Meio Shekel?

O projeto de peneiragem do Monte do Templo consiste de um espírito voluntário e de comprometimento com causas públicas.

Já que você ainda está lendo este texto, é claro que você entendeu a importância do nosso projeto, e você compartilha do nosso compromisso sobre o futuro do Monte do Templo.

Durante o período do Segundo Templo, cada pessoa expressava seu compromisso com o futuro do Monte do Templo contribuindo com meio shekel, em prata, anualmente, para a manutenção do trabalho do Templo. Essa taxa foi inspirada na ordem bíblica no livro de Êxodo:

Todo o que estiver submetido ao recenseamento, contribuirá com meio shekel; meio shekel é um tributo ao Senhor. (Exôdo 30: 13)

No período do Segundo Templo, essa taxa do Templo era paga usando uma moeda de prata especial, cunhada no Monte do Templo. Nós somos afortunados de termos recuperado uma dessas moedas, cunhadas durante o primeiro ano da Grande Revolta Judaica contra Roma (66/67 E.C)! Esse achado raro – nosso próprio meio shekel – nos inspirou a lançar a “Campanha do Meio Shekel”, através da qual todos podemos compartilhar do trabalho de esclarecer a desconhecida história do Monte do Templo.

A rare silver half-shekel coin found in the sifting. Obverse: A chalice from the Temple topped by the letter aleph, meaning “Year One”. Around it are the words “half a shekel”. Reverse: A branch with three pomegranates surrounded by the words “Holy Jerusalem”. These coins were used for paying the annual Temple tax according to the Biblical commandment in Exodus 30:13-15.

Uma rara moeda de meio shekel achada na peneiragem. Observe: um cálice do Templo e, no topo, a letra Aleph, significando “Primeiro Ano”. Fazendo o contorno, as palavras “meio shekel”. No verso: um galho com três romãs e em volta a frase “Jerusalém Santa”. Essas moedas foram usadas para pagamento da taxa do Templo de acordo com o mandamento em Êxodo 30: 13-15.

O valor atual do shekel pode ser calculado examinando o valor de compra nos tempos bíblicos. O shekel bíblico, que era usado no tabernáculo, equivalia a 20 “gera”. O gera era o salário diário de trabalho. Então meio shekel representava 10 dias de salário de um trabalhador.

A four gera weight that was found in the sifting (First Temple period)

Um peso de quatro gera encontrado na peneiragem (período do Primeiro Templo)

Quanto você recebe em 10 dias?

Nós não esperamos receber essa quantia de todo mundo, mas nós esperamos que você seja inspirado pela ideia que cada um pode custear nossa causa com alguma quantia. As pessoas que compartilham nossa preocupação com o futuro do Monte do Templo podem ajudar, com qualquer valor que possam doar, a trazer esclarecimentos sobre seus tesouros enterrados.

Existem outros meios em que eu possa apoiar este projeto?

Mesmo sem a doação do meio shekel, você pode ajudar compartilhando este website e víde através de mídias sociais – Facebook e Twitter. Levando o conhecimento do Projeto de Peneiragem do Monte do Templo para a sua comunidade, até mesmo para a mesa de jantar, você vai nos ajudar a contar a verdadeira história do Monte do Templo, o local mais sagrado do mundo.

Nós lhe encorajamos, se você ainda não nos visitou e mesmo que já tenha visitado, a visitar-nos e a trazer seus amigos ao nosso local de peneiragem, no Parque Nacional Emek Zurim, em Jerusalém. Participe conosco de uma experiência emocionante de recuperação das relíquias do Monte do Templo. Clique aqui para saber como participar.

O Projeto de Peneiragem na Mídia

Abaixo estão links com amostras dos muitos relatórios sobre o Projeto de Peneiragem que apareceram na mídia nos últimos anos e que podem ser acessados online.

Smithsonian Magazine

National Geographic Magazine

Jerusalem Post

Israel Hayom

AP

A SUA contribuição de meio shekel irá ajudar a revelar a história do Monte do Templo. Sua ajuda é de vital importância.  DOE HOJE PARA O NOSSO PROJETO.

logos small and spaced out


Translated by Sabrina Andrade

January 11th 2016

The Half-Shekel Campaign – Summary and Conclusions

First and foremost, we would like to express our deep gratitude to all those who answered our call and donated to the project and helped disseminate the Campaign. YOUR SUPPORT IS TRULY APPRECIATED. Thank you letters and gifts will be mailed shortly.

Our” Half-Shekel” campaign was launched on September 1st 2015 and lasted for four months. The Temple Mount Sifting Project is all about involving the community, and this campaign was the first time we invited the public to partake in helping fund the project. We chose the crowd funding approach, even though we didn’t know what to expect. This kind of platform, when used by non-profit organizations, is often used to help fund and promote social, medical or political causes, and usually not used for scientific research, let alone for archaeological research although many people find interest and value in it, they still prefer to donate to other causes.

We produced a video with an attempt to tell the story of the sifting project in an interesting and touching way for those who are less-acquainted with the story of the Temple Mount, its history and archaeology, as well as for those who are well acquainted and even for trained archaeologists. We knew that a short video would be essential for it to   become viral, but we weren’t successful   in finding  a way to  consolidate  the story of the project  in addition to explaining our financial needs to the non-aquatint in less than 7 minutes although we managed to have the Hebrew version shorter (5 min).

Eventually the Hebrew video became viral to some extend on Facebook and managed to reach 20 thousand people quite quickly with almost no paid promotion (a total of 27 thousand on both Facebook and YouTube). The English version, which was also available with translation subtitles in many languages, was less successful and eventually reached 50 thousand people (16 thousand people have visited the Half-Shekel Campaign website and more than 270 of them have donated. During the time of this campaign, we eventually managed to raise $35,440.  The donations came mainly from English speaking countries and from Israel, but also from distant parts of the world such as Brazil, Chile, Singapore and other places.

A short while after the inception of the campaign, the political conflict concerning the Temple Mount became a hot topic in the media, and we weren’t sure if it detracted or motivated support of the campaign. We prefer avoiding politics   as much as possible, especially since we are dealing with the most politically sensitive site in Israel, although certain aspects of our research may unavoidably have some political implications. The website has also been translated into Arabic, and attracted a relatively large percentage of visits from Arabic speaking countries, surprisingly, we received only few malicious comments, while hundreds of visitors shared the website and clicked like. Perhaps the scientifically oriented nature of the text helped to some extend to reduce the conflict fed by decisive and ignorant historical claims.

We are still far from reaching the project’s needs, and our funding efforts will proceed. This website will be maintained as a permanent funding website, and we will continue promoting it in various other ways.

You are all invited to continue supporting the project by sending a recurring donation and by sharing the websites of the Temple Mount Sifting Project.

With much gratitude,

Gabriel Barkay and Zachi Dvira

 

January 1st, 2016

The campaign is over. Thank you all for your donations and for distributing this website. We will publish a campaign summary in the coming days.

We will send out the all gifts within the coming month.

Donations could still be done on this website (with gifts) or through our weblogs. This website will be redesigned to a permanent fund raising website.

For further updates about the project please visit our weblogs.

 

Happy New Year

The Temple Mount Sifting Project

 

December 27, 201

In three days we’re about to end our current phase of our crowd funding campaign. After that this website will be converted to a permanent website for donations to the Sifting Project. This campaign has been running for the last four months and has managed to reach 75 thousand people who have watched the campaign video (English 47,914; Hebrew: 27,452). The campaign brought about 16,500 visitors (unique visits) to this website. Since our last update we have doubled the Facebook shares, especially in Arabic and Portuguese (see table below), and currently more 3400 people have shared this website! Thank you all!

Up to this point we managed to raise in this campaign $20,676 by 257 donors (the total sum on the website includes also direct donations that were received recently and were not achieved via this campaign). We are pleased to see that we managed to receive support from all corners of the world.

In our next update we will provide a summary to this campaign and details about the phase.

See below the statistics for more detailed and interesting results:

 

Top Website Visitors by Country

——————————————– 

Country Website Visitors Frequency (1 per x Internet Users)
Israel 4,962 1,195
Jordan 526 6,417
Pal. Authority 133 9,774
Iraq 143 18,937
Venezuela 594 24,492
El Salvador 51 34,173
Norway 124 39,483
Honduras 31 51,695
Ukraine 292 57,702
Canada 521 63,340
United States 4,446 68,203
Bolivia 52 76,357
Portugal 86 81,576
Netherlands 177 91,208
Hong Kong 63 91,291
Brazil 1,045 103,180
Australia 204 103,807
Turkey 285 124,066
Belarus 34 142,852
Austria 44 162,163

 

Top Donors by Country

——————————–

Country Donors Donors Percentage of Website Visitors
United States 116 2.6%
Israel 90 1.8%
Canada 11 2.1%
United Kingdom 8 2.4%
Australia 7 3.4%
Brazil 3 N/A
Italy 3 N/A
Norway 2 N/A
Austria 2 N/A
Belgium 2 N/A
Netherlands 1 N/A
Turkey 1 N/A
New Zealand 1 N/A
Singapore 1 N/A
Finland 1 N/A
Sweden 1 N/A
Germany 1 N/A
Mexico 1 N/A
Chile 1 N/A

 

Website Visitors by Language

—————————————–

Language Visitors
English 7,291
Hebrew 3,382
Spanish 1,286
Arabic 1,224
Russian 708
French 514
Turkish 338
Korean 274
Chinese-Traditional 153
Chinese -Simplified 126
Norwegian 182
Italian 207
Portuguese 454
German 127
Dutch The Netherlands 141
Farsi Iran 40
Hungarian 53

 

Facebook Shares by Language

—————————————–

Language FB Shares
English 2100
Arabic 353
Spanish 312
Portuguese 200
Hebrew 111
Russian 89
French 63
Turkish 36
Persian 32
Norwegian 19
Chinese (simplified) 19
Korean 16
Italian 16
Chinese (traditional) 12
Deutsch 11
Nederland 10
Hungarian (Magyar) 0
Total 3399

 

December 15, 2015: We are now capable of providing Tax-Deducible receipts from the U.K. as well.

December 12, 2015: See Report in Jerusalem Post: Byzantine-era potsherd from Temple Mount may contain engraving of holy site’s menorah

December 8, 2015:

Three months have passed since we launched the crowdfunding campaign; the current campaign is scheduled to end on Dec 31, 2015. Since we are still far from reaching our final goal, we will probably continue fundraising with this website, but change the format so it will suit an ongoing fundraising campaign and not one that is limited by time.

We would like to update you about several things that we’ve been working on. Many of you have probably already seen the news reports about the “Hezekiah seal” found in the Ophel excavations south of the Temple Mount, which were directed by Dr. Eilat Mazar. This seal impression was found in 2010 at our sifting facility in Tzurim Valley, when we assisted with wet-sifting earth from this excavation. Until recently, the reading of this bulla was ‘לחזקיהו … מלכיהו  (Hezekiyahu ?? Malkiyahu), but when Reut ben-Ariyeh, who studied the seal impressions from the Ophel excavation, noticed a dot between מלכ andיהו , and the unclear letter of the second name, the reading became clear: “Hezekiyah (son of) Ahaz King of Judah”. This is the first time that a Judean king seal or seal impression is found by a controlled archaeological excavation!  We are proud that the Temple Mount Sifting Project took part of this great discovery. Click here to read the press release.

We are about to publish a new article, based on finds from the sifting project, about reconstructing Crusader floors which were situated in the Dome of the Rock. This will be published on Dec 20th in an international conference at Haifa University marking 150 years of the PEF (Palestine Exploration Fund). (Click here to see the full program).

And one last thing for Chanukah – two days ago we published an image of a potsherd with an incised design of what appears to be the Temple Menorah; the potsherd is probably from the Byzantine period. What was the purpose of this drawing? What can we learn from it about the rabbinic medieval interpretation of the Menorah shape? These questions were sent out to our community of followers and supporters whose opinion we cherish. . You are welcome to add your suggestion or comment in our Facebook page or blog.

Happy Chanukah,

The Temple Mount Sifting Project

 

October 26, 2015:

When we launched the campaign 50 days ago, the Hebrew video immediately went viral and reached 10,000 people within three days, while the English video was less successful and reached 3,500 people. Up to date the videos were watched (30 sec views and more) on Facebook and YouTube by 43,797 people.  12,050 people have visited the website and 199 people have donated a total sum of $21,940. We intend to continue the campaign until the end of 2015.

The video has the potential to reach a very wide audience, especially these days when the Temple Mount is in the focus of the news. Since many ignorant comments are being heard in the media and distorted articles are published in major newspapers, this story and archaeological information is essential for establishing an educated debate.

The Temple Mount Sifting Project does not have a political agenda, and as open minded academic researchers we are open minded for any conclusion that can be deducted from the finds. We oppose ignorance. All scientific or academic research eventually serves humanity by helping us make better decisions. If the sifting project finds could help reduce tensions that are rooted by ignorance – we would be happy to serve this goal as well.

It is worthwhile to mention that about 15% of the website visitors are Arab speakers, and there are about 353 shares and hundreds of likes to the Arabic version of the website. It seems like the Arab world is very interested in this story.

 

October 25, 2015

When we launched the campaign 50 days ago, the Hebrew video immediately went viral and reached 10,000 people within three days, while the English video was less successful and reached 3,500 people. Up to date the videos were watched (30 sec views and more) on Facebook and YouTube by 43,797 people.  12,050 people have visited the website and 199 people have donated a total sum of $21,940. We intend to continue the campaign until the end of 2015.

The video has the potential to reach a very wide audience, especially these days when the Temple Mount is in the focus of the news. Since many ignorant comments are being heard in the media and distorted articles are published in major newspapers, this story and archaeological information is essential for establishing an educated debate.

The Temple Mount Sifting Project does not have a political agenda, and as open minded academic researchers we are open minded for any conclusion that can be deducted from the finds. We oppose ignorance. All scientific or academic research eventually serves humanity by helping us make better decisions. If the sifting project finds could help reduce tensions that are rooted by ignorance – we would be happy to serve this goal as well.

It is worthwhile to mention that about 15% of the website visitors are Arab speakers, and there are about 353 shares and hundreds of likes to the Arabic version of the website. It seems like the Arab world is very interested in this story.

 

October 12, 2015

Since our last update – with the organic exposure of the website and some paid ads – we tripled the number of visitors to the website. Up to this point we managed to raise $19,607 by 171 donors. The number of people who viewed the YouTube video (26,759 views) and those who visited the website (10,432 unique visitors) also increased.

There is great interest among Middle Eastern Arabs, leading to more than 300 shares and 500 likes of the Arab version of the website. We are still waiting to see who will be the first one among the Arab supporters to be courageous enough to make a donation.

In our last report Canada was first place but it has now been replaced by the United Kingdom with the highest percent of donors relative to website visitors, followed by Australia.

See below for more interesting results:

 

Top Video Views Frequency by Country*

Country Internet Users YouTube Video Views Frequency (1 per x Internet Users)
Israel 5928772 2630 2254
Palestine Authority 1300000 78 16667
El Salvador 1742832 77 22634
Canada 33000381 1450 22759
Jordan 3375307 146 23119
New Zealand 4162209 167 24923
Costa Rica 2511139 100 25111
Norway 4895885 182 26900
United States 303229759 11223 27019
Australia 21176595 684 30960
Puerto Rico 2027549 64 31680
Singapore 4453859 136 32749
Venezuela 14548421 430 33834
South Africa 24909854 666 37402
Paraguay 2005278 51 39319
Panama 1899892 43 44184
Guatemala 2716781 61 44537
Honduras 1602558 33 48562
Netherlands 16143879 317 50927
Finland 5117660 98 52221
Uruguay 2017280 37 54521
Iraq 2707928 49 55264
Philippines 39470845 624 63255
Ecuador 6012003 90 66800
United Kingdom 57075826 809 70551
Hungary 7388776 101 73156
Malaysia 12150362 164 74088
Bolivia 3970587 51 77855
Chile 11686746 135 86568
Hong Kong 5751357 64 89865
Poland 25666238 278 92325
Sweden 8581261 91 94300
Switzerland 7180749 72 99733
Denmark 5419113 53 102247
Belgium 9441116 91 103749
Colombia 25660725 223 115071
Argentina 24973660 217 115086
Ireland 3817491 33 115682
Dominican Republic 5072674 39 130069
Ukraine 16849008 125 134792

* Not including over 23,000 Facebook views. At this point we cannot access this data categorized per country from Facebook.

                                                     

Top Website Visitors by Country

Country Website Visitors Frequency (1 per x Internet Users)
Israel 2771 2140
Jordan 518 6516
Palestinian Authority 123 10569
Iraq 142 19070
Venezuela 590 24658
El Salvador 49 35568
Norway 83 58987
Ukraine 277 60827
Bolivia 52 76357
Portugal 77 91111
Canada 305 108198
United States 2,413 125665
Hong Kong 44 130713
Turkey 252 140313
Brazil 735 146698
Netherlands 104 155230
Australia 120 176472
South Korea 216 209788
Spain 163 214787
Austria 32 222974
Belgium 39 242080
Taiwan 64 291246
Italy 115 318208
France 131 423125
United Kingdom 126 452983
Egypt 74 544751
Mexico 61 834804
Germany 53 1353350
Russia 50 1688756
India 51 4768606

 

Top Donors by Country

Country Donors per Visitors Rate Donors
United States 3.4% 83
Israel 1.9% 53
Canada 3.0% 9
United Kingdom 4.8% 6
Australia 4.2% 5
Norway N/A 2
Italy N/A 2
New Zealand N/A 1
Netherlands N/A 1
Finland N/A 1
Chile N/A 1
Sweden N/A 1
Brazil N/A 1

 

Website Visitors by Language

Language Visitors
English 4,051
Hebrew 1,728
Spanish 1,231
Arabic 1,117
Russian 495
French 438
Turkish 299
Korean 299
Chinese-Traditional 123
Chinese -Simplified 123
Norwegian 118
Italian 108
Portuguese 106
German 79
Dutch The Netherlands 72
Persian 21
Hungarian 21

 

 Facebook Shares by Language

Language FB Shares
English 1500
Arabic 352
Spanish 152
Hebrew 111
Turkish 35
Persian 32
Russian 27
Norwegian (Norsk Bokmal) 19
Chinese (simplified) 19
Thai 16
Chinese (traditional) 12
French 9
Italian 6
Netherlands 3
German 2
Hungarian (Magyar) 0
Portugese 0

October 5, 2015

We realized that promoting this website will take longer than we expected, so we decided to extend the campaign until December 31st.

September 27, 2015

Jerusalem Post: Jewish history’s greatest archaeological crime

 

September 24, 2015

Rare 3,000-year-old King David era seal discovered by Temple Mount Sifting Project

See full report at our weblog: templemount.wordpress.com

See Media Reports at:

Jerusalem Post

Times of Israel

 

September 22, 2015 – Second Update

Until now the campaign has been going on with organic promotion, and soon we are going to promote the video and the website with paid ads and media news. Now is a good time to see how well we are doing.

Up to this point we managed to raise $17,085 by 116 donors. That’s not much when taking into account the number of people that viewed the video (15562 views) and those that visited the website (3440 unique visitors). It seems like people are really interested in this story, but only a small percentage choose to donate. Our goal is to reach 1 million video views which mean that in order to reach our goal we need to dramatically increase the exposure of the video and the website. We will continue to fundraise through philanthropic foundations and these donations will be marked as “direct” on the funders list.

Following are statistical tables that demonstrate how well the video and the website were received in various countries. We calculated frequencies in relation to each country’s population of internet users. This will allow us to compare our support among various countries.

As you can see below, after Israel, the Canadians have the best score – 1 per 37,931Canadians has seen the video. They also have the best donation rate (5.5% of website visitors). The website is also popular amongst Arab populations.

See below for more interesting results:

Top 20 Video Views Frequency

Country Internet Users Video Views Frequency (1 per x Internet Users)
Israel 5928772 1485 3992
Canada 33000381 870 37931
Norway 4895885 124 39483
New Zealand 4162209 94 44279
United States 303229759 5948 50980
Australia 21176595 413 51275
South Africa 24909854 481 51788
Palestinian Authority 2000000 38 52632
Singapore 4453859 80 55673
Puerto Rico 2027549 30 67585
Finland 5117660 72 71079
Iraq 2707928 29 93377
Netherlands 16143879 169 95526
United Kingdom 57075826 522 109341
Poland 25666238 229 112080
Malaysia 12150362 88 138072
Sweden 8581261 59 145445
Philippines 39470845 247 159801
Belgium 9441116 59 160019
Hong Kong 5751357 35 164324
Switzerland 7180749 39 184122


Top 25 Website Visitors

Country Website Visitors Frequency (1 per x Internet Users)
Israel 1283 4621
Palestinian Authority 111 18018
Iraq 134 20208
Norway 67 73073
Jordan 21 160729
Canada 128 257815
Australia 82 258251
United States 1026 295546
Egypt 67 601665
Switzerland 10 718075
United Kingdom 68 839350
Netherlands 19 849678
Italy 36 1016499
Mexico 50 1018461
Colombia 17 1509454
Argentina 14 1783833
Poland 14 1833303
Spain 16 2188142
France 23 2409973
Germany 24 2988648
Russia 26 3247607
Brazil 13 8294064

 

 Top Donors

Country Donors per Visitors Rate Donors
United States 3.62% 43
Israel 2.11% 41
Canada 5.48% 8
United Kingdom 3.90% 3
Finland 14.29% 2
Chile 16.67% 1
Sweden 14.29% 1
New Zealand 10.00% 1
Brazil 6.67% 1
Netherlands 5.00% 1
Italy 2.33% 1
Norway 1.20% 1
Australia 1.20% 1

 

Website Visitors by Language

Language Visitors
English 2028
Hebrew 512
Arabic 408
Spanish 180
French 83
Norwegian 89
Russian 93
Italian 76
Portuguese 14
Chinese – Simplified 16
Chinese – Traditional 27
German 13
Dutch 8
Persian 9
Hungarian 8
Korean 8
Turkish 7

 

Facebook Shares by Language

Language FB Shares
English 799
Spanish 149
Arabic 116
Hebrew 81
Persian 32
Russian 19
Norwegian 19
Italian 4
Chinese (traditional) 4
Chinese (simplified) 1
Turkish 1
German 0
French 0
Dutch 0
Hungarian (Magyar) 0
Portuguese 0
Korean 0

 

August 31st 2015. First Update

The website was launched on September 1st, and will end on November 27th, 2015. It is currently available in 17 languages! To the best of our knowledge no such crowdfunding campaign – addressing such a wide audience – has ever taken place, and we are also not aware of any archaeological projects that have used this funding method.

The idea to “crowd fund” the Temple Mount Sifting Project was originally suggested by Aran Yardeni about a year ago. He claimed that raising funds in this method would best suit our project, which allows the public to take an active role. The more we thought about it, we realized that in addition to the funding aspect, a crowd funding campaign can be a great tool through which to gain public exposure for the story of the Temple Mount and the Sifting Project.

We quickly realized the high potential of this campaign, and decided to translate the contents to many languages. . We believe that this cause is universal, and are very curious to see how this campaign will be received around the world.

The texts were mostly translated by volunteers. Please let us know if you notice any errors or have any suggestions. We also welcome volunteers who can translate the website to additional languages.

This page will continuously update developments in the campaign, as publish data concerning the exposure and donations from the various countries. Please stay tuned.

Now, let’s see who will gain the title of “‘the first donor on the website Wall of Fame’”.

nathan bloumis
3 dias atrás
$36
Australia  victoria
mont albert
Hidden
3 dias atrás
$250
United States
Hidden
4 dias atrás
$100
United States  NY
New York
Kay Ellis
5 dias atrás
$40
United States  MO
Hannibal
Robert Longstaff
2 semanas atrás
$200
United Kingdom  Surrey
Guildford
Hidden
2 semanas atrás
₪1,200
Israel
חיפה
Hidden
2 semanas atrás
₪180
Israel
ירושלים
טאיה סוריקוב
2 semanas atrás
₪18
Israel
Hal Safran
3 semanas atrás
$40
United States  NY
Great Neck
EJ Cho
3 semanas atrás
$50
New Zealand
Gracia Levine
4 semanas atrás
$50
Brazil  RJ
Rio de Janeiro
Hidden
4 semanas atrás
$180
United States
McMinnville
Hidden
4 semanas atrás
$150
Israel
ramat gan
איתמר צור
1 mês atrás
₪18
Israel
חיפה
Jacques Acoca
1 mês atrás
$360
United States  Florida
Sunny Isles Beach
אורי הוכפלדר
1 mês atrás
₪200
Israel
גבעתיים
Tommy Chamberlin 105 Natures Cove Dr., Pikeville, KY
1 mês atrás
$150
United States
Giveback.co.il Campaign (subtracting website fees and tax)
1 mês atrás
₪266,184
Israel
גידי דיל
2 meses atrás
₪100
Israel
כוכב יאיר
שירה יניר
2 meses atrás
₪300
Israel
פתח תקווה